Mês de Conscientização: Denuncie a violência contra a pessoa idosa

Estamos no mês de junho, um mês que se destaca pela Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa, algo que deixa marcas nem sempre visíveis nas pessoas que sofrem com essas situações lamentáveis. Por conta disso, a Prefeitura Municipal, através do CRAS – Centro de Referência em Assistência Social, CREAS (Centro Especializado em Assistência Social), Conselho Municipal de Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa e Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social.

Fica o alerta para quem precisa denunciar maus tratos aos idosos, através dos seguintes canais de denúncia:

Ministério Público – 100

CREAS – (28) 98815 5510

Polícia Militar – 190

CRAS – (28) 98805 8557

O Dia Mundial da Conscientização da Violência Contra a Pessoa Idosa foi oficialmente reconhecido pela Assembléia Geral das Nações Unidas em 2011, após solicitação da Rede Internacional de Prevenção ao Abuso de Idosos (INPEA), que estabeleceu a comemoração em junho de 2006. Representa um dia do ano em que o mundo inteiro manifesta sua oposição aos abusos e sofrimentos infligidos a algumas de nossas gerações mais velhas. A violência contra o idoso pode ser definida como “um ato único, repetido ou a falta de ação apropriada, ocorrendo em qualquer relacionamento em que exista uma expectativa de confiança que cause dano ou sofrimento a uma pessoa idosa”. É uma questão social global que afeta a saúde e os direitos humanos de milhões de idosos em todo o mundo e que merece a atenção da comunidade internacional.

Em muitas partes do mundo, o abuso de idosos ocorre sem que haja reconhecimento ou resposta, pois, até recentemente, esse grave problema social estava oculto à vista do público e era considerado um assunto privado. Ainda hoje, o abuso de idosos continua sendo um tabu, subestimado e ignorado pelas sociedades mundialmente. No entanto, há evidências que indicam que o abuso de idosos é um importante problema de saúde pública e social.

Ocorre nos países em desenvolvimento e nos países desenvolvidos e, no entanto, geralmente é subnotificado. As taxas ou estimativas de prevalência existem apenas em países desenvolvidos selecionados – variando de 1% a 10%. Embora a extensão dos maus-tratos aos idosos seja desconhecida, seu significado social e moral é óbvio e, como tal, exige uma resposta multifacetada, focada na proteção dos seus direitos.

De uma perspectiva social e de saúde, a menos que os setores de atenção primária e de assistência social estejam bem equipados para identificar e lidar com o problema, o abuso de idosos continuará sendo subdiagnosticado e ignorado.

 

Skip to content